Emanuel Matos

IMG-20200825-WA0025.jpg

José Carlos Coqueiro

ui convidado a participar do Movimento dos Focolares pelo meu tio, Domingos Coqueiro. Ele me levou à reunião de lançamento do Movimento dos Focolares, na Casa Monte Tabor, em Icoaraci (Distrito de Belém), por volta de 1967. Na oportunidade, um focolarino de nome Rino (Chiaperin) apresentou a história do Movimento, destacando a espiritualidade, as crenças e as visões de sua líder maior (e fundadora) Chiara Lubich, quem, juntamente com outras companheiras, vivendo o Evangelho, almejavam a contribuir à construção de um mundo novo, permeado pelo amor ao próximo, pela unidade em Cristo e vivendo a vontade de Deus.

Sobre o segmento jovem, a proposta do Movimento era a de convocá-lo a fazer uma verdadeira “revolução”, em que o amor a Deus se traduzia em uma atividade prática de amor ao próximo, que poderia ser vivenciada em todas as nossas atividades, a partir do que poderíamos mudar o mundo e a sociedade.

Fiquei encantado pelas ideias apresentadas! Assimilei as mesmas e me propus a praticá-las, no meu dia-a-dia, ciente de que, vivenciando o Evangelho, poderíamos mudar as nossas vidas e contribuir para um mundo melhor.

Entreguei-me totalmente ao Ideal e procurei colocar em prática os princípios da palavra de Deus, vivendo a caridade e o amor ao próximo. Aquele modo de vida, partilhado com os demais integrantes daquele grupo, era tão belo e forte que sentíamos o desejo de propagar a nossa felicidade, o nosso ideal para todos.

Logo surgiu o Conjunto GEN SINCO, instrumento de apostolado do Movimento, que, por meio da música e de outras expressões artísticas, era capaz de transmitir nossas ideias e o nosso ideal, bem como a nossa visão de mundo de paz, de justiça e de unidade.

O Movimento dos Focolares e o Movimento GEN desenvolveram em mim valores do cristianismo, que passaram a fazer parte integrante do meu ser e me norteiam até hoje. Da mesma forma, despontaram em mim o amor pela Medicina, profissão através da qual posso atenuar o sofrimento do próximo e exercer a caridade.

Participar do Movimento GEN e fazer parte do GEN SINCO foi uma graça de Deus, que me fez uma pessoa melhor na vida profissional e pessoal.

F